2005/02/04

Para a memória futura…



… fica o debate de ontem entre os secretários gerais do Partido Socialista e do Partido Social Democrata, José Sócrates e Pedro Santana Lopes. Como ontem foi dito por alguns comentadores, talvez o debate não fique para a história – mas a história é construída a partir do que resta dos factos… Penso que o debate não terá importância decisiva na opinião de uma esmagadora maioria dos portugueses que votem – quem terá ainda dúvidas substanciais? Na verdade, para mim as eleições de 20 de Fevereiro são uma espécie de referendo em que a pergunta seria, aproximadamente, esta: “Concorda que ao ex-Primeiro Ministro Pedro Santana Lopes seja concedida a oportunidade de voltar a governar Portugal?”

Na campanha para este referendo parece que o mais importante será enfatizar o que se deve ao ex-Primeiro Ministro e ao seu governo. De bom, e de mau. E colocar, nos pratos da balança, o produto da listagem e decidir em conformidade. Haverá sempre quem ache que tal oportunidade deve ser dada – por fidelidade partidária ou porque se simpatiza com a pessoa; e haverá quem, embora se possa ter divertido com os desvarios dos quatro meses de gestão de Santana Lopes, não veja como é possível recolocá-lo no poder. Julgo que estas duas posições estão tomadas para a maioria dos portugueses. O debate terá sido pois bastante inútil para elas.

Mas apesar disso, o debate existiu e fica para a memória futura…

2 comentários:

SaltaPocinhas disse...

«Na campanha para este referendo parece que o mais importante será enfatizar o que se deve ao ex-Primeiro Ministro e ao seu governo. De bom, e de mau.»

Estou com um problema grave neste "referendo": Não encontro nadinha para colocar do lado do bom. Que devo fazer? Já escrevi sobre isto no meu blog e acho que vou votar... no Rodrigo Guedes de Carvalho!

Varela de Freitas disse...

Boa ideia...
Quando referia o bom e o mau era mesmo para provocar reacção: mas houve alguma coisa de bom? Talvez até houvesse, mas ficou disfarçada no meio de tanta... farsa!