2006/04/10

Reencontro com um passado presente


Na passada sexta-feira, pouco antes de jantar, toca o telefone. O fixo (o que é cada vez mais raro). É o Luís (fica assim, meio anónimo). Foi meu aluno em 1966-1967 (isso mesmo, há praticamente 40 anos) no Liceu Padre António Vieira, estava no 7º ano (hoje seria o 11º) e eu leccionava Filosofia e OPAN. Bom aluno. Encontrei-o uma vez, nos anos 80, quando eu assessorava o Secretário de Estado João de Deus Pinheiro e ele já estava no meio da comunicação social, e há relativamente pouco tempo telefonara-me para a Universidade porque casualmente descobrira onde eu estava e quis conferir comigo um assunto particular. Ora o Luís viria a Braga hoje, dia 10, participar numa sessão promovida pelo Instituto de Ciências Sociais para apresentar a Entidade Reguladora para a Comunicação Social, e lembrou-se de combinar almoçar comigo. Com certeza!

E hoje foi o reencontro. Tinha dele a imagem clara do que ele era aos 16, 17 anos: magro, alto e loiro, frase pronta e arguta. Lembro menos bem o que era nos anos 80. Quando o procuro no sítio combinado reconheço-o de imediato. Creio que o mesmo aconteceu com ele – apesar das mudanças em mim serem bem mais complicadas… Nos anos sessenta não usava barba, e usava cabelo: hoje uso barba e delapidei uma boa dose de cabelo. Não mirrei, e por isso continuo a ser razoavelmente alto, a gordura deve ser mais ou menos a mesma… Damos um abraço sentido. E começamos uma conversa interessante, que se prolonga num almoço em que mais do que o que se comeu fica o que se falou. Não, não passámos o tempo a lembrar os “velhos tempos”, embora recordássemos um ou outro “fait divers” que o levou a admirar a minha memória para esses pormenores. O Luís contou-me como viveu estes quarenta anos, ricos de experiência na qual não falta, também, o ensino superior, numa área que desde cedo terá sido a principal (a comunicação social). Tem paixão pelo que faz. Como eu tive paixão pelo que fiz. É fatal falar-se da minha próxima retirada, de como a encaro, o que vou fazer… Passam por nós colegas, meus e dele, trocam-se frases curtas – mas é com orgulho que digo que o Luís foi meu aluno. Há muito tempo, num ano que tenho muito presente, até porque foi um ano de grandes decisões na minha vida.

Por isso, depois de o deixar e regressar à minha Escola (já não ao meu gabinete… hoje ocupado pelo colega que me sucedeu), não paro de pensar nesse passado que me foi hoje feito presente. É bom, até porque desse modo não penso no futuro, que é, no presente, o que mais me preocupa.

3 comentários:

SaltaPocinhas disse...

Aproveito e faço um "dois em um": comento este e o anterior. Sobre o anterior não acredito que uma pessoa como tu não arranje que fazer. Aliás neste post falas logo duma coisa que poderás sempre fazer: ajudar de várias maneiras antigos alunos (nem que seja um almoço convívio). Não duvido que trabalho não te faltará. E se não é nesse gabinete é noutro qualquer, que os lugares são menos importantes que as tarefas (se fosse ao contrário eu tinha de fugir da minha escola!!)

Varela de Freitas disse...

Boa amiga, agradeço as palavras de ânimo. Tenho andado meio "perdido" mas vou recompor-me, tenho a certeza. O problema não é o não ter "de fazer" porque terei sempre muitas coisas para me ocupar. É algo mais fundo, porventura inexplicável... Talvez um dia seja capaz de o explicar, não agora.

mummy disse...

Professor, o seu mundo interior é suficientemente fascinante para que o futuro seja, não uma preocupação, mas uma fortíssima expectativa. Sua, pelo que viverá, nossa, pelo que nos será permitido viver através da riqueza da obra que irá produzir. Este blogue é um pequeno exemplo do muito que tem para dar aos portugueses.