2006/06/20

Fraude, copianço…


O estudo que foi divulgado no domingo pelo Diário de Notícias não é muito surpreendente, se bem que “copiar nos exames” implique que quem elabora os exames “colabore”, de algum modo, com quem use o processo para ter uma classificação aceitável. De facto, um exame pode ser sempre elaborado de tal forma que minimize o “copianço”…

Mas esta notícia fez-me recuar uns quarenta e tal anos, quando o país soube com espanto de uma fraude cometida nos exames (julgo que do então 7º ano) no Liceu de Lamego, uma fraude que deu brado pelo seu ineditismo e, ao mesmo tempo, por que não dizê-lo, pela engenho revelado.

Tanto quanto a minha memória guarda, apareceu em Lamego um jovem, acompanhado por um irmão, para fazer alguns exames. Instalaram-se ambos numa Pensão. O rapaz trazia um enorme penso a cobrir um dos ouvidos, esclarecendo a toda a gente, sobretudo os colegas, que tivera um acidente, o que, evidentemente, até lhe terá valido uma dose grande de simpatia…

Ora bem, na altura de um dos exames, creio que de Matemática, um rádio-amador local detectou uma conversa estranha que momentos depois depreendeu ser a propósito da resolução de problemas de um exame. Tirando-se dos seus cuidados, foi ao Liceu, contou o que ouvira e não foi difícil ao Reitor (creio) perceber, ainda que espantado, o que se passava.

O jovem não tivera acidente algum, simplesmente o ouvido entrapado ocultava um emissor-receptor rádio; em casa, a algumas centenas de metros, o irmão do jovem tinha sido posto ao corrente do enunciado do exercício e, mais conhecedor da matéria, resolvia os exercícios e comunicava as soluções ao examinando.

Claro que descoberto o estratagema foi tudo por água abaixo, não me recordando agora se para além da perda do ano houve sanções mais graves para o prevaricador.

De qualquer modo, e tendo em atenção que tudo isto se passou há mais de quarenta anos, não se pode dizer que estávamos tecnologicamente muito atrasados…

Tenho mais um episódio de exames e de fraudes para contar, mas fica para depois…

1 comentário:

PJ disse...

Um exemplo perfeito do plano tecnológico antes do tempo...