2005/09/20

Porquê?


Por que não me apetece escrever? Não me posso queixar de falta de temas – quer actuais, quer exumados da minha memória (afinal, o que justifica o blog), não faltam temas. Mas não me apetece. Provavelmente, é a qualidade dos temas que me afasta da escrita. Não está a ser fácil presenciar o que se passa no mundo e na nossa pequena casa desse mundo e ficar tranquilo.
Egoistamente, penso mais na minha casa – afinal é onde vivo, e onde gostaria apesar de tudo de continuar a viver nos muitos ou poucos anos que me restem. Leio jornais, vejo a televisão, oiço rádio e as (poucas) conversas de rua, e parece que há um ensandecimento global, que ninguém se preocupa a não ser com destruir, por acções ou omissões, desde os que governam aos que são governados. Os primeiros porque criam oportunidade de críticas justas, quando deviam estar vacinados por situações anteriores; os segundos porque não são capazes de perceber (ou se percebem, então são desonestos) que neste momento, apesar de tudo, não se pode facilitar na luta pelo equilíbrio orçamental, quer se aceite de bom grado, ou não, as consequências de medidas que são de facto, duras.
Não, não me apetece escrever sobre tudo isso, preciso mesmo de flutuar acima do presente e procurar temas neutros do passado. Tentarei.

5 comentários:

SaltaPocinhas disse...

Como eu te compreendo...Mas vou ter de desopilar senão morro! Estou só à espera de ver se as coisas estão mesmo a ser tão más como parecem...
É que eu sou optimista por natureza, não queria ainda dar o braço a torcer!

MJMatos disse...

Eu não diria melhor, caro CVF. Custa sacudir a apatia que se cola a nós nestas condições.

IC disse...

Atrevo-me a desejar que esse não apetecer escrever seja passajeiro. E haverá temas neutros? (É verdade que, por motivos semelhantes, também estou em pausa para serenar e aguardar, mas eu só pretendo falar dos meus jovens alunos, e eles só chegaram há dois dias, ainda é pouco para compensar a confusão preocupante que tem reinado)

Emilia disse...

Mas não vai deixar de escrever pois não? Já estou habituada a vir até aqui e "ter o prazer de ler" aquilo que escreve.
Um abraço,
Emília.

Varela de Freitas disse...

Cara(o)s amigo(a)s, como se vê não vou deixar de escrever, porque a minha natureza optimista vai vencer o pessimismo contagiante da maioria. Eu sei que não estou só no meio desta confusão. Agradeço-vos o incentivo.