2005/02/09

A indisciplina na escola (1)


Numa visita a um blog que à partida não supunha ter matéria de educação (apenas despertara, desportivamente, o meu interesse), encontrei um post com o título que encima este que desafiava alguns bloguistas a abordarem este mesmo tema. Não me encontrava entre os desafiados mas logo ali me declarei interessado em responder ao desafio. Por duas ordens de razões, que passo a expor.
A primeira, porque a indisciplina na escola é na verdade um facto preocupante e merece ser analisada.
A segunda, porque o Autor do post, ao terminar a sua mensagem com o texto seguinte, emulou os meus sentimentos de guerreiro…
“Desde que as Ciências da Educação tomaram de assalto o nosso sistema de ensino e a "pedagogice" assentou arraiais, a educação caiu em total descrédito com os resultados que todos nós conhecemos”.
Devo desde já dizer que vou primeiro abordar o tema da minha segunda ordem de razões, deixando para um segundo post a primeira. Perceber-se-á porquê.
Acusações como as que foram feitas no blog amigo têm sido desde há uns tempos recorrentes em alguns comentadores aos quais se costuma dar crédito – Carlos Fiolhais, António Barreto, Maria Filomena Mónica, e mais recentemente Maria de Fátima Bonifácio – e não ignoro que delas partilham outras pessoas (e o nosso confrade prova-o).
Considero serem muito injustas estas alegações. Em primeiro lugar, as ciências da educação não tomaram de assalto coisa nenhuma: limitaram-se a exercer o seu direito de definir princípios científicos, o que era completamente impossível nos tempos da ditadura. Até aos anos 70 do século passado existiram em Portugal excelentes pedagogos que nunca foram aceites devido ao sistema político vigente. Conheci-o bem: tornei-me adulto no “antigamente”, comecei a minha carreira no enquadramento de um regime que me pedia para declarar que estava integrado na ordem social estabelecida pela Constituição de 1933 (o que fiz sem problemas porque de facto não planeava ser desordeiro…) e depois enveredei por ser activo na tentativa de contribuir para modificar o estado de um sistema educativo elitista e injusto. Para quem duvide, atente nestas palavras de Salazar numa entrevista a António Ferro: “Considero … mais urgente a constituição de vastas elites do que ensinar o povo a ler. É que os grandes problemas nacionais têm de ser resolvidos não pelo povo, mas pelas elites enquadrando as massas”.
Não nos podemos esquecer que falar em ciências sociais era, nessa altura, quase uma proibição: em 1970 ainda não tínhamos cursos de psicologia, sociologia ou educação! Tínhamos, por outro lado, uma vergonhosa taxa de analfabetos e pseudo-alfabetizados, taxas de escolaridade baixíssimas, e sobretudo tínhamos uma escola toda ela pensada para eliminar os menos capazes, à procura dos escóis.
Esta situação começou a mudar com Veiga Simão – que teve a coragem de falar em democratizar a educação. E teve a coragem de confiar em quem, de educação, não lia a cartilha de Salazar (Marcelo Caetano era mais aberto, mas sabe-se como foi travado pelos “ultras”). Em 1974 o estado da educação em Portugal já era diferente. É que as pessoas da educação já tinham começado a assaltar o sistema educativo… Insidiosamente, tinham conseguido influenciar uma lei de bases que esteve por um fio; tinham conseguido que as ciências sociais passassem a figurar no currículo dos chamados 3º e 4º anos experimentais (um dia lembrarei esse episódio); tinham passado a ir a grandes encontros internacionais onde a educação era considerada cientificamente.
Depois de 74, então, foi o fim… Escrevi, num dos primeiros posts deste blog (A educação e o novo governo) que desde então até ao Ministro David Justino houve um certo consenso em relação à educação, o que, de acordo com as opiniões referidas há pouco, teria ocasionado o descalabro, o descrédito – e tudo por causa das “pedagogices”…
É tempo de reflectir e fazer uma análise cuidadosa. Consideremos os aspectos quantitativos. Neste últimos trinta anos, o parque escolar aumentou e melhorou exponencialmente. Há ainda excepções de instalações pouco próprias, mas são excepções. Aumentou também o número de alunos. A escolaridade obrigatória está em 9 anos – diga-se o mínimo dos mínimos – e o pré-escolar tem tido um apoio que o terá de levar à quase universalização. O número de professores aumentou igualmente – mais do que o necessário, sabe-se: há desemprego entre diplomados para ensinar. Os orçamentos para a educação são reconhecidamente dos mais generosos da Europa. E deve dizer-se, os nossos professores não se podem considerar mal pagos.
Consideremos agora os aspectos qualitativos. Há um princípio que diz: “A quantidade mata a qualidade”. É verdade. E a meus olhos reside aí um dos grandes problemas do nosso ensino. O crescimento não foi gradual, foi abrupto: o afluxo às escolas determinou que entre 1974 e 1979 (cinco anos) o número de professores aumentasse em mais de 60%, e mesmo assim foi necessário intensificar a formação de docentes. Ao mesmo tempo, procurava-se introduzir no nosso sistema normas pedagógicas (não pedagogices) compatíveis com a democracia: assim o ensino secundário unificado, a nova avaliação dos alunos, novas normas de gestão das escolas, e, necessariamente, a aproximação a correntes pedagógicas que existiam em países onde as ciências da educação existiam há anos e tinham sido acolhidas pelas maiores universidades – quer na Europa, quer nos Estados Unidos da América.
Foram boas, todas as medidas tomadas? Não foram. Em primeiro lugar, porque apesar de tudo as políticas educativas passam sempre o crivo da política em geral, e apesar dos consensos, houve sempre diferenças. Em segundo lugar, aplicou-se muitas vezes a parábola do vinho novo em odres velhos. Em terceiro lugar porque como em todas as outras matérias, mesmo as que se reclamam da maior centificidade, o êxito nem sempre é automático.
Não era possível continuar a ter elites porque o objectivo da educação passou a ser outro e não o que Salazar defendia. Educação para todos significa exactamente educação para todos e não apenas para os melhores. Alguns conseguirão a excelência (esses nem precisam de ter bons professores). Uma maioria ficar-se-á pela mediania.
Sei, por experiência, a diferença que há entre o que se legisla e o que se pratica: quase sempre o legislador é demasiadamente optimista, e o professor, em contrapartida, é quase sempre pessimista. Há, depois, o desfasamento entre a lógica de um poder que se quer manter centralizado mas utiliza uma linguagem a sugerir descentralização. Há as escolas muito grandes para garantirem uma acção unitária. E há, perdoe-me quem pensa que não é assim, a influência enorme que o ambiente sócio-económico-familiar tem no êxito escolar dos alunos. A acção do professor não pode ser a mesma numa escola de uma grande cidade ou numa vila do interior. Tudo aponta para que os currículos sejam diversificados, mas ao mesmo tempo pretende-se um controlo estatal…
As pessoas das ciências da educação sabem de tudo isto – e por isso não se alarmam com as acusações que lhes são feitas; elas sabem que se se aceitasse regressar ao passado não diminuiria o número de insucessos na escola, pelo contrário, aumentaria; sabem que medidas que são aplaudidas, como as da publicitação dos chamados “rankings” (tal como foram calculados) é mais nociva que benéfica; sabem que os exames nacionais contrariam a lógica do ensinar e aprender que promove o crescimento pessoal do jovem. Pelo contrário, as pessoas das ciências da educação têm consciência que os alunos nos nossos dias estão mais bem preparados do que os do passado, porque para elas não é o saber mais que conta, mas o saber melhor, o saber de algum modo útil.
Mas as pessoas das ciências da educação não estão contentes, claro. Sabem que muitas vezes são mal compreendidas nas suas posições. Por exemplo, é falso que defendam uma escola de facilidade: o que defendem é uma escola que não crie dificuldades desnecessárias. Fazer da escola um sítio agradável não é crime. Se se conseguir ensinar com alegria, para quê criar ambientes de prisão?
As pessoas das ciências da educação pensam que era possível fazer muito melhor se houvesse coragem de desfazer mitos – e um deles é o mito de um Ministério da Educação – e criar estruturas regionais e locais muito operacionais, capazes de ajuda efectiva às escolas e aos professores, assessoradas pelas escolas de formação da área (universitárias e politécnicas). Porque a pergunta que se tem de fazer é: “Por que é que existem, a par das coisas terríveis que o sistema educativo português tem, escolas como a da Ponte? ou colégios como o colégio Vizela?” E a resposta, dou-a a concluir: porque ambos gerem com muita independência e observando princípios de sã pedagogia, que implicam um corpo docente escolhido e motivado, profissional, em ambientes estimulantes porque não muito pesados e nos quais cada aluno é considerado como uma pessoa, com deveres mas também com direitos.
Tenho consciência que este texto é muito longo e que ficou muito por dizer. Mas o essencial ficou dito. Na segunda parte, irei então ao problema da indisciplina.

9 comentários:

Miguel Pinto disse...

É para subscrever integralmente? Pode contar comigo! ;o)

manuel cabeça disse...

que me seja permitida a ousadia, perante um texto pleno de saber e de longa experiência feito, não são apenas as pessoas das ciências da educação que não estão contentes, penso, e espero não ser abusivo na generalização, que muitos de nós - professores, alunos, pais e encarregados de educação, políticos - estamos descontentes com o que temos. Não apenas por ainda não termos uma escola para todos, ainda estamos muito longe disso, como ainda prevalecerem vestígios de uma elitização escolar e educativa que condiciona enormemente a sociedade, como o próprio modelo de escola - e da formação inicial e continua - instigarem comportamentos e atitudes que deixam muito a desejar a uma escola que se pretende democrática, participativa e inclusiva. Com isto não se pode pretender que se homegenize e uniformize tudo e todos. Será na consideração da diferença que se poderá ultrapassar a indisciplina, afinal o motivo central de todo este comentário e de se considerarem as ciências da educação como elemento fundamental na e para a construção, interpretação e compreensão da escola (e dos seus problemas) que temos e que queremos.
Talvez assim se possam ultrapassar (falsos e despropositados) bodes expiatórios e assumirmos, cada qual no seu lugar, as responsabilidades pelo sistema que temos.
[peço desculpa da extensão, mas não resisti]
:)

Anónimo disse...

Globalmente concordo com a sua análise mas permita-me um pequeno comentário. Julgo que, inadvertidamente, comete idêntico erro aos que criticam de forma acéfala as Ciências da Educação. É que parte do pressuposto, pelo menos na leitura que fiz do seu texto, de que todos aqueles que se reclamam das Ciências da Educação fazem parte de um bloco homogéneo que diz as mesmas coisas sobre todos os assuntos: "As pessoas das ciências da educação têm consciência ..."
"As pessoas das ciências da educação não estão contentes ...". É possível afirmar que quando no seu texto se refere às pessoas das Ciências da Educação invoca opiniões que merecem a concordância generalizada. Não é isso que está em causa. O que está em causa é um discurso que tende a impor-se à opinião pública que divide os interlocutores entre "os das Ciências da Educação" e "os outros". Ora, se aceitarmos esta divisão, algo esquemática e mesmo simplista, convém ter presente que dentro da cada grupo existem inúmeras sensibilidades e mesmo diferenças assinaláveis. E essas diferenças, especialmente dentro do grupo das pessoas que se reclamam das Ciências da Educação, têm que ser assumidas. Caso contrário cairemos numa ditadura do politicamente correcto que é tudo o que a ciência, que a educação pretende invocar para lhe escorar a respeitabilidade, não é nem nunca foi.
Um exemplo concreto que esteve na origem da sua entrada: se defendermos que as faltas que tiveram origem em dias de suspensão originados por processos disciplinares dos alunos contarem para efeitos de reprovação já deixamos de pertencer ao grupo das Ciências da Educação?
PJ

Paulo Lopes disse...

Escrevi um post sobre este chorrilhos de disparates em http://acontecencias.blogspot.com/2004/12/o-retorno-das-desigualdades-ma-non.html#comments. Esta gente tem a mania de usar o pessoal das Ciências da Educação (quem são, afinal?) como o bode-expiatório para todos os males do sistema. Não há pachorra! ;-(

Varela de Freitas disse...

Para PJ

Como eu disse, parti para este post com sentimentos de guerreiro... e por isso escrevi mais sanguinamente do que cerebralmente. Bom, aceito a sua crítica. Com certeza que não se pode falar das pessoas das ciências da educação como um grupo homogéneo, e que fui traído por responder à provocação que torna iguais todos os que estão a trabalhar na área. Obrigado pela via aberta para a discussão, que é importante.

Varela de Freitas disse...

Para Paulo Lopes:

Não conehcia o seu post (na altura andava longe dos blogs...), agradeço o endereço e tardiamente dou-lhe os parabéns por ele. A gratuitidade das afirmações da Senhora sempre me chocou, como a dos restantes que enunciei. Bom dia!

Miguel Sousa disse...

Existem muitas escolas que funcionam bem sem ter o rotulo de outras, é frustrante sentir que mesmo dentro da comunidade dos entendidos da educação (note que não estou sendo negativo, mas sim afirmativo) não se reconheça esse facto.
Por exemplo, já li o relatórion feito acerca da Escola da Ponte...e as limitações que o mesmo demonstra deixou-me a pensar muito.
Parabens pelo excelente local de reflexão

Varela de Freitas disse...

Para Miguel Sousa

Sei que há, além das citadas, escolas e professores excelentes. Referi as duas porque as conheço de perto. Seria interessante que escolas que têm "alma" o mostrassem. Isso não seria considerado vaidade, mas ionformação útil e mesmo motivação para outras.

Miguel Sousa disse...

enquanto orientador de estágio e agora como membro de um Conselho Executivo, tenho feito ainda mais força para que as escolas d~em visibilidade ao que de bom fazem..só assim é que se afirmaram, numa sociedade que teima em ir procurar o que está mal na Escola