2005/05/11

O virtual e o real


Quando me comecei a interessar pelo ensino a distância (mesmo antes da explosão dos computadores!) construí a ideia de que não seria desejável que a “distância” fosse absoluta, isto é, que a presença humana real deveria ser necessária a espaços. Hoje essa ideia consolidou-se, apesar de a tecnologia ter evoluído como evoluiu e permita o que há largos anos era impensável. Creio que a maior parte dos cursos promovidos “a distância” têm sempre uma acção presencial, mesmo quando se trata de cursos com alunos que vivem longe do centro de decisão. Ontem pensei muito nessa minha ideia por analogia com o que se passa com o mundo dos blogs. Numa actividade promovida por uma escola da minha Universidade, participaram três “bloggers” que me conhecem da "Memória" e que eu conheço dos seus blogs e pelos comentários que fazem. Tivemos ocasião de nos conhecer realmente. De conversar, mesmo em pé e por cinco minutos, de nos "sentirmos". Elas e ele (ficam por identificar…) deixaram de ser virtuais e passaram a ser reais. E eu pensei que esta era mais uma das riquezas do mundo dos blogs. E não terá sido a brincar que sugeri, já na despedida, que seria interessante promover um encontro – real – de bloggers interessados nos problemas da educação, a todos os níveis.

Minhas amigas e meu amigo, gostei muito de vos conhecer. Graças aos blogs!

3 comentários:

homoclinica disse...

O VIRTUAL é meio caminho andado para o REAL.
Isto é já, para mim, um saber de experiência feito!
O virtual não substitui o real, mas ajuda muito. Completa. Antecipa. Prepara.

SaltaPocinhas disse...

Eu também gosto muito de te conhecer, embora só virtualmente. Mas as conversas são sempre reais!

LN disse...

É um pouco "estranho" esse sentido da fraternidade prévia dos que bloggam, como já escrevi...
E a analogia com o ensino é muito pertinente, pelo género de extensão de relação que o real permite. Também gostei muito de o conhecer :)