2005/02/23

Errático…


Numa pausa em edição de posts (por causa de um dia de intenso trabalho mais uma viagem a Lisboa) tomei consciência ontem, ao ler um jornal, que, nos últimos tempos, uma palavra raramente usada começou a ter uma visibilidade enorme. Ela surgiu a propósito do Dr. Santana Lopes, e (posso estar enganado) o primeiro comentador que julgo a usou foi Pacheco Pereira. Depois, foi o contágio! Não houve quem não empregasse o termo "errático" em relação ao comportamento do então primeiro-ministro! Ontem, ao ler uma notícia qualquer que nada tinha a ver com Santana, lá vinha o “errático” (sendo certo que a palavra podia ter sido substituída por outra). É certo: na linguagem há modas… Quem se lembra (têm de não ser jovens…) da moda, nos princípios dos anos 70 do século passado, de se iniciar o discurso normal com um “Pois…”? E a palavra incontornável, que é, actualmente… incontornável?
Bom, hoje é apenas para dizer que estou vivo e não esqueci os meus compromissos de abordar temas que estão prometidos. E, no campo do que comprometo, não costumo ser… errático!

5 comentários:

Paulo Lopes disse...

Sim... também já reparei que de vez em quando há certas "modas lexicais"... :-|

JorgeMorais disse...

Eu não o chamaria errático, mas sim lunático...

SaltaPocinhas disse...

Pois! Mas a moda que ue detesto mesmo é a "inverdade" e o "implementar". Ora pois!

Varela de Freitas disse...

Oh Saltapocinhas! Implementar não é uma moda, já se usa sistematicamente há mais de vinte anos pelo menos.

Paulo Lopes disse...

E eu detesto tanto o "empenhamento" e "improvisação"!!!
Onde foram parar o "empenho" e o "improviso"?? ("improvisação" é aceitável no campo da música...)
Mas gosto de "inverdade" já que não sendo sinónimo de "mentira" tem um significado lexical muito útil em muitas circunstâncias...
:-|