2005/10/05

A República

Sorrio quando recordo que quando era criança (e até mesmo “rapazinho”) tinha pena por já não haver rei em Portugal. Não diria que era monárquico – coitadinho do que era eu! – mas certamente fui arrastado pelo meu gosto pela história e, também, pela maneira como ela era ensinada e eu a aprendi. Era na verdade uma história de reis e de exaltação das virtudes da “raça”, uma história de heróis e heroínas (a Padeira de Aljubarrota formatou a minha desconfiança persistente ao país vizinho…), e a minha mente infantil deve ter-se povoado de imagens construídas de fausto dos palácios (que nem era assim tão grande).

Depois, passou-me a tendência, e passei a considerar o sistema republicano como realidade irreversível e muito mais interessante do que a monarquia. Entendo, porém, que a pouco e pouco, para além do feriado, se tem perdido muito do brilho da comemoração do dia em que se mudou o regime. E há pouco dei por mim a pensar que só faltam cinco anos para o centenário. Não seria de começar já a pensar em como comemorar a data?
EM TEMPO
Vejo hoje (tardiamente, ando distraído...) que já se pensa na comemoração (ver aqui). Ainda bem!